O Romantismo foi um movimento estético e cultural que revolucionou a sociedade nos séculos XVIII e XIX, deixando para trás valores clássicos e inaugurando a modernidade nas artes. As obras românticas baseavam-se, então, em valores da burguesia, classe social que substituía a elite absolutista em diversos países.

Inicialmente apenas uma atitude, um estado de espírito, o romantismo toma mais tarde a forma de um movimento, e o espírito romântico passa a designar toda uma visão de mundo centrada no indivíduo. Os autores românticos voltaram-se cada vez mais para si mesmos, retratando o drama humano, amores trágicos, ideais utópicos e desejos de escapismo. Se o século XVIII foi marcado pela objetividade, pelo iluminismo e pela razão, o início do século XIX seria marcado pelo lirismo, pela subjetividade, pela emoção e pelo eu.

O termo romântico refere-se ao movimento estético, ou seja, à tendência idealista ou poética de alguém que carece de sentido objetivo.

O romantismo é a arte do sonho e fantasia. Valoriza as forças criativas do indivíduo e da imaginação popular. Opõe-se à arte equilibrada dos clássicos e baseia-se na inspiração fugaz dos momentos fortes da vida subjetiva: na fé, no sonho, na paixão, na intuição, na saudade, no sentimento da natureza e na força das lendas nacionais.[2]

Fonte: Wikipedia Romantismo
Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Romantismo#:~:text=O%20romantismo%20foi%20um%20movimento,os%20Estados%20nacionais%20na%20Europa.

Romantismo no Brasil

Na imagem um mestiço que, a rigor, já teria deixado a vida selvagem e aderido à civilização, mas esses limites talvez fossem muito difíceis de se ver no Brasil, em especial aos olhos de um Francês. Mas Debret não faz Julgamentos, apenas retrata o romantismo.

“Caboclo”, De Jean-Baptiste Debret (1768-1848) Retrata um mestiço que, a rigor, já teria deixado a vida selvagem e aderido à civilização, mas esses limites talvez fossem muito difíceis de se ver no Brasil, em especial aos olhos de um Francês. Mas Debret não faz Julgamentos, apenas retrata.

O movimento romântico brasileiro teve como marco inicial a publicação do livro Suspiros Poéticos e Saudades, de Gonçalves de Magalhães, em 1836.

Na poesia, é possível identificar ao menos três gerações do Romantismo brasileiro: os indianistas, os ultrarromânticos e os condoreiros.

A imagem retrata a personagem do poema brasileiro de José Martiniano de Alencar. Ambientado no século XVI, ele narra uma história de amor fictícia entre Iracema, uma mulher indígena Tabajara, e Martim Soares Moreno, um colonizador Português. Imagem que remete ao romantismo.

“Iracema”, De José Maria de Medeiros (1849-1925) Retrata a personagem do poema brasileiro de José Martiniano de Alencar. Ambientado no século XVI, ele narra uma história de amor fictícia entre Iracema, uma mulher indígena Tabajara, e Martim Soares Moreno, um colonizador Português.

Na prosa, José de Alencar foi o principal escritor, e suas obras retratam a sociedade brasileira em seus ambientes urbanos, rurais ou ainda mitológicos — como no caso dos romances Iracema e O Guarani, que buscam descrever o mito da criação do povo brasileiro enquanto mistura entre índios e europeus.

Fonte: Brasil Escola Romantismo
Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/literatura/romantismo.htm

Como conclusão dos estudos sobre Romantismo, os alunos da 1ª série do Ensino Médio conheceram e discutiram textos e pinturas da escola romântica, em um trabalho interdisciplinar, envolvendo as disciplinas de Artes e Literatura, produziram releituras de pinturas clássicas de forma majestosa!